Ordem Alfabética: A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z   #
Basta devolver as trinta moedas?  |  Pr. Olavo Feijó

Mateus 27:5 - E ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar.

Judas estava se desapontando com Jesus: ao invés de agir como o Messias libertador político dos israelitas, o Mestre deixou claro que “Seu Reino não era deste mundo”. vender Jesus às autoridades pareceu a Judas uma espécie de compensação. No texto de Mateus, fica claro que o traidor não pretendia a morte de Jesus – daí a decisão de devolver as trinta moedas. O dinheiro da traição não somente não conseguiu ser devolvido: a palavra dura e sarcástica dos chefes dos sacerdotes embotou a sensibilidade espiritual de Judas, ao ponto de levá-lo a “fazer justiça com as próprias mãos”, suicidando-se...

Remorso não é arrependimento. No arrependimento, acontece uma mudança de atitude, uma aceitação de culpa, bem como um pedido de perdão e reconciliação. Já o remorso não consegue ver nenhuma solução digna. O tirar a própria vida implica na rejeição final da misericórdia do Cristo para conosco.

Não basta irritar-se e devolver as moedas da traição. Judas conviveu com Jesus e não conseguiu descobrir a grandeza restauradora da graça divina! Zaqueu foi diferente. Reconheceu a indignidade das moedas que roubar dos seus compatriotas: abriu seu coração ao senhorio do Cristo e distribuiu aos pobres o dinheiro que roubara. O exemplo, então, a ser seguido, não é o de Judas... mas o de Zaqueu!