Ordem Alfabética: A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z   #
Marchar? E O Mar, Na Frente?  |  Pr. Olavo Feijó

Êxodo 14:15 - ¶ Então disse o SENHOR a Moisés: Por que clamas a mim? Dize aos filhos de Israel que marchem.

Moisés e Arão sofreram má vontade da parte do faraó e, por mais absurdo que pareça, da parte dos israelitas, seus irmãos. Apesar de todos os episódios super impressionantes de que tiveram notícia, os descendentes de Jacó preferiram as humilhações da escravidão, ao invés de um futuro abençoado, de vota a Canaã. O auge da revolta contaminou toda a multidão dos ex escravos quando, depois de toda a trabalheira da emigração se viram numa armadilha: atrás, o exército do faraó, ávido de vingança e, na frente, nada menos do que o impressionante obstáculo do Mar Vermelho. Quando pediram explicações do culpado daquilo tudo, o Senhor Jeová, as instruções recebidas soaram como brincadeira de muito mau gosto. “Disse então o Senhor a Moisés: Por que você está clamando a Mim? Diga aos israelitas que sigam avante” (Êxodo 14:15).

Por que será que, às vezes, achamos que os israelitas eram um bando de incrédulos chorões e, quando o carro pega do nosso lado, arranjamos as mais furadas desculpas, para justificar nossa própria incredulidade e teimosia? Afinal, qual é a diferença entre enfrentar um mar carregado de perigos mortais e, do nosso lado, perder o emprego logo no ano que nossa filha mais velha só conseguiu aprovação numa faculdade particular, super cara? Seguir avante? De que maneira?

O tempo de Deus, para nossa vida, tem uma só direção: para frente. Porque é à frente que o Cristo nos manda ir, no processo incrível de compartilhar com Ele Suas vitórias sobre a maldade, sobre as injustiças, sobre o medo, sobre nós mesmos! Jesus nunca nos enganou, quando nos avisou que, neste mundo, corremos o perigo de querer desistir, de tanto desencanto. Não será que Ele também estará certo, ao garantir que, quando nos agarramos às Suas mãos de amor e de poder, o único resultado sempre será nossa restauração, nossa vitória e nosso júbilo?